Atendimento: Copacabana,

Ipanema e Barra da Tijuca

Telefones:

(21) 2267-0108

(21) 99949-3223 

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Twitter Ícone

© 2017 Camilla Estima.

Comida de vó - Bolinho do Maranhão (ou de tapioca)

July 31, 2017

Quando alguém te pergunta qual alimento lembra a sua infância, o que você responde? Tenho certeza que só de eu fazer essa pergunta você lembrou de alguma comida, alguém, uma situação, um lugar e sentiu o cheiro e talvez também o sabor. Acertei? O fantástico da comida é como ela nos remete a uma nostalgia gostosa, mata as saudades de alguém ou de uma época da vida.

 

A minha memória imediata é esse bolinho da foto abaixo. Originalmente não sei quem o criou, sei que a minha avó materna fazia - ela era paraense - e o bolinho chama Bolinho do Maranhão. Não sei também por que o nome era esse visto que não temos parentes lá. Ontem quando postei no meu Instagram que estava fazendo o bolinho, várias seguidoras me mandaram mensagem de que era de lá mesmo, e chama Bolinho de Tapioca :) Obrigada às meninas que elucidaram esse "mistério de família" :) A família agradece.

 

 

 

A minha avó fazia essa receita e depois minha mãe passou a fazê-la. Lembro claramente dela fazendo o bolinho e de como era bom comer a massa crua, antes de ir para o forno (vai entender de onde isso vem). Depois que a minha mãe morreu a receita meio que se perdeu. Eu e minha tia sabíamos mais ou menos os ingredientes mas nada das quantidades, modo de preparo etc. Uma tia minha de São Paulo, que é uma pessoa de ligação afetiva fortíssima e cozinheira mais do que de mão cheia, me conta em uma conversa certo dia que ela tinha a receita do bolinho. Pensa em uma felicidade! Daí ela me passou a receita e fotografei a ficha que ela tinha anotado, escrito à mão. Ganhei duas vezes: a receita da minha mãe escrita à mão com a letra da minha tia. (Bolinho do Maranhão (Paula) – Paula = minha mãe).

 

 

 

O bolinho é feito com uma farinha de tapioca granulada, não a que se faz beiju de tapioca. Essa aqui:

 

 

 

Aqui no Rio de Janeiro eu encontrei essa farinha em 3 locais: Na Feira de São Cristóvão e em dois restaurantes de comidas típicas do norte, o Arataca e o Tacacá do Norte.

 

Vamos à receita, mas antes de qualquer coisa, veja.....a receita é daquelas de família e meio que ditadas e vistas de olho. As quantidades estão certas mas vou colocando observações ao lado que é como eu faço e lembro também. Acho que muito da graça de receitas de família é isso, essa coisa não muito medida e nem certinha ao extremo.

 

500 gramas de tapioca granulada (normalmente os pacotes vem com 200g. Dois pacotes rende bem)

1 litro de leite (na receita diz um litro. A farinha vai hidratar nesse leite. Eu, Camilla, cubro a farinha com leite mas ela não fica submersa no leite como por exemplo se faz no arroz. A gente coloca o leite, ela fica encharcada mas não “boiando”.

2 ovos

2 colheres de sopa de manteiga

Sal a gosto

Erva doce à gosto. A erva doce é uma questão na minha família kkkkkkk tem gente que gosta e tem gente que tem pavor. Eu sempre coloco mas meu irmão e minhas tias reclamam, então fazemos as duas maneiras. Com ou sem.

 

MODO DE PREPARO

Pré aquecer o forno em 180 graus.

 

Em uma tigela funda, hidrate a farinha no leite (como expliquei acima) por 45 minutos. Após esse tempo, acrescentar o restante dos ingredientes e misturar tudo, com a mão. Com a mão você sente melhor os ingredientes sendo incorporados e a massa tomando forma.

 

Untar uma assadeira com manteiga. A minha mãe e avó faziam os bolinhos sem muito formato, tanto que os da foto são bastante irregulares (acho graça nisso). Algumas seguidoras me mandaram fotos de formatos como rosca, bolinhas perfeitas que lembra um pão de queijo, ou minha tia disse que a minha avó fazia também uma receita maior  (imagino que dobrada ou triplicada) e assava em uma forma de pudim com furo no meio, e ficava uma rosca grande. Nunca fiz assim.

 

Colocar os bolinhos no forno e assar. Desculpem mas o tempo ao certo não temos.....e sim quando ele fica dourado. Cuidado para não queimar a parte de baixo dele, o que costumo fazer é olhar a parte de baixo e quando ela fica dourada eu viro eles para assar  lado de cima.

 

Espero muito que gostem da receita, que possam criar novas memórias com elas. E quem quiser pode me mandar a sua receita de família que vou adorar fazê-la e compartilhá-la :)

 

Beijo,

Camilla

 

Locais para comprar a farinha no Rio de Janeiro:

 

- Arataca – Rua Domingos Ferreira, 41, Copacabana.

 

- Tacacá do Norte – Rua Barão do Flamengo, 35, Flamengo

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

BLOG

Destaques

Vamos falar da Rita Lobo e a polêmica do fitness

February 15, 2017

1/1
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon